click no número para ir ao Indíce 1.6.10.10


Página atualizada em 06/06/2003 e,
em 13/07/2016 (13 anos intacta),
criada em 10/04/2000.
Aqui se faz, aqui se paga,
com dinheiro do bolso.

Robôtica Educacional! Ou, Automação Educacional?

Saiba que os Robôs não causam desempregos

PROJETO UM - Robô Autônomo (fotos abaixo, que foram obtidas em março de 2001, desde a contratação como professor substituto, em inicio em fevereiro de 2001, já estava empenhado em construir um robô autônomo, assim esta página aborda sómente o primeiro robô, que não vingou, devido que não obtive apoio da escola, que ainda era Efei. Minha contratação na referida escola, teve o propósito de que com minha colaboração ela pudesse se transformar em "Universidade", assim em atendimento a direitoria do departamento de Ciências da Computação, aonde fui alocado, tive que ser anfitrião dos auditores do MEC, por sinal, uma conhecida minha da USP, de São Carlos, quem liderou a equipe do MEC, que perante minha desenvoltura, a Efei foi assim outorgada para "Universidade").

PROJETO DOIS - Mini-Veículos, para "Guerra de Robôs". Mas, tudo no Brasil, começa errado: - Este evento chamado de "Guerra de Robôs"! Foi na época o motivo de atrair o público leigo, que não sabiam do que se tratavam.

Sabiam os professores mentores, dentre eles eu, que isto tudo não passou de um modo de atração, por que na verdade estes veiculos eram teleguiados, via controle remoto, assim de robótica não tinha nada.kkk

No entanto, virou moda nas escolas, universidades e empresas acreditaram nesta piega, que foi, mas era algo que a comunidade via com outros olhos e, na época para não tirar a menina dos olhos, enfim houve promoção de cursos superiores, dentre eles de ciências da computação, de engenharia mecânica e de engenharia de controle e automação. Foi uma grande jogada.

Eu, por ter formação em robótica pela especialização em Mecânica Fina, pela EESC/USP, sabia disto, sempre soube, mas me calei, por que o começo foi dificil, mas vendo que surgiram entusiastas, se não poderia quebrar o encanto que se formou, tipo amor à primeira vista, com algo, que te impressiona.

Passado tantos anos, cá estamos em 2016 e, todos os eventos que vieram a promover até então frutos de um grande engodo. Se fossem levar ao pé da letra, este evento de "Guerra de Robôs", em 2001 não teria saído do papel, mas, como todos estávamos enaltecidos de elevar o curso de Mecatrônica da Poli (esta foi a origem da criação do evento), fiquei na berlinda, por que eu não fui o mentor do evento, quem criou o evento foi a Poli, o Ita e Unicamp, assim deixei como era, sem interferir. Se tivesse intervindo esta guerra nunca teria acontecido!.

"Hoje posso dizer isto, por que uma que eu fui o mentor da invenção do carrinho teleguiado (por isto fiquei com a Taça da Vitória, por meu merecimento em ter criado toda a situação), mas, com o passar dos anos, quem veio depois nunca souberam da verdadeira história, por que alguém tratou de mascarar eles e eu não atuava mais, por que fiz uma aplicação de Mecânica Fina, nada mais, meu papel tinha sido cumprido, com dinheiro do meu bolso, pude criar mecanismos e metodologia, que de 80 alunos, de vários cursos, que fiz uma grande triagem na EFEI, nenhum teve interesse. Voce ver que o evento estava próximo em junho e ninguém queria, mas queriam bolsa de estudos, e na verdade este evento era para voluntários com dinheiro do próprio bolso. Depois alguns se interessariam!!! Por que eu já tinha feito cartazes que espalhei por toda a escola, não era universidade a EFEI, com meus alardes criei novos adeptos e, com camisetas com meio patrocinio da Uol, e meu bolso, pude mostrar as camisetas e assim comecei a atrair uns alunos, quando também fui nas reuniões em Campinas e, assim do nada surgiram 2 alunos e 2 técnicos de laboratórios, um, eu já tinha que era o líder da equipe, assim criei a equipe Scorpion, com colaboração de um aluno só de engenharia de controle e automação, que agora faço homenagem ao pai dele, quem me cedeu para mim uma casa vazia de locação em Campinas, aonde pude dormir no chão frio, com cobertores cedidos pela familia do único aluno interessado Giulliano Straçalhano e assim surgia a primeira equipe antecessora, que depois acabaram se desfazendo e, ficaram só o Eng. Giulliano e o Eng. Leda, que vieram a participar do evento, conforme a foto abaixo, pode ser conhecida aqui a "Primeira Equipe Scorpion", abaixo. Depois vieram outros 4, que foram na minha sala na EFEI e toparam encarar esta parada, desta forma ai sim fechei a Segunda Equipe Scorpion e final, que até o Renzo Spedicato, por ter uma empresa em Orlândia, levou o esqueleto com as rodas e lá puderam finalizar o carrinho teleguiado, assim em cima da hora, no último mes, que antecedia o evento, que foi em setembro, adiado para outubro"

Primeira Equipe Scorpion


Que pena, mas no inicio fiquei muito triste por que de 80 alunos, apenas um filho eu tive nesta maratona,
digo filho por que com ele conseguimos liderar os outros quatros (conforme foto acima).

Projeto Um - Estudos e desenhos foram feitos para conferir um "Robô", simples, econômico, sem derivação, assim surgiu de uma idéia: desenhos preliminares - como seria a estrutura construtiva do "robô".

Um globo, o qual pude encontrar numa sucata (pátios de empresas que depositam materiais velhos, estragados, antigos, etc.), passou o membro superior (para ter olhos, etc.) e, outras peças para seu corpo.

O esboço do robô, originou-se devido a compra de materiais novos e alguns recicláveis "sucateados", projetei e construi um protótipo.


Projeto Dois - O auge da Mecatrônica da Poli.


Projeto Um - Isto sim era um robô, mas ficou só no papel.
.

Oficina Mecânica Alocada Efei
.
Colaboradores Marcelo Shiwaku, Jorge Gotchea e Chefe da Oficina Efei Sr. Helio

Devido a escassez de recursos, estamos aceitando doações de peças, componentes, enfim patrocinadores, para que possamos construir o referido robô, para maiores esclarecimentos - Ex e-mail: pastore@iee.efei.br (desativado) Novo e-mail: pastorefei@hotmail.com e, atual E-mail 2016 . Este robô não foi construído, devido que em seguida, abril de 2001 fui convidado pelo Prof. Dr. José Arnaldo Montevechi ( CNPq Lattes ), do departamento de Engenharia de Produção Efei ( Professores Unifei ), a ser o professor mais direcionado, para levar a Efei num evento em Campinas, por ele ter participado de uma reunião com professores universitários na Unicamp (Efei, Ita, Usp, Poli e Unicamp), assim este robô foi esquecido e, suas peças foram aproveitas para o segundo robô (o redutor Macopema que aparece na foto, foi usado no veiculo teleguiado Scorpion), que viria a ser chamado de "Robô Scorpion", quando estes alunos na foto do primeiro robô autônomo, eram os que eu tinha nas mãos e, para existir uma equipe para tal evento, vim a fazer triagem de pelo menos 80 alunos dos diversos cursos de graduação e de pós graduação Efei, porém nenhum deles se interessavam, queriam bolsas de estudo, mas este certame era para voluntários, que por fim consegui com muita garra, persistência de minha parte, obter a colaboração de sete voluntários, que os orientei em salas de aulas, como deveriam participar, como deveriam formar uma equipe, fomos no encalço de patrocinadores, mas nada efetivo, tivemos que arcar com todas as despesas, de viagens para Campinas, em que o pai de um dos alunos, dentre eles, do Giuliano Straçallano, o pai dele cedeu uma casa de aluguel, em Campinas, aonde nós pudemos pernoitar, no chão, é claro, por que não era um hotel.

Assim, foi o inicio da história, ou raiz do que veio a se tornar uma "saga", que me convidei para a Editôra Saber Eletrônica Ltda, a vir a publicar o evento, que foi publicado na Revista Mecatrônica Fácil, em inicio de 2002) e, que eu consegui ter por um milagre, o vencimento no evento, aonde levei ao pódio no Teatro de Arena da Unicamp, sete alunos e o veiculo teleguiado (controle remoto foi obtido por doação da FIPAi de Itajubá), só, o veiculo, veio de uma doação que tive de um aluno da cidade de Varginha, antes de entrar neste certame, era para outros propósitos, mas como tinha quatro rodinhas, sistema direcional de alavanca, do giro da direção por excêntrico, doei para os sete alunos, virem a montar o veiculo teleguiado, sobre ele, enfim era um chassi compátivel, para o meu propósito e não dos alunos, que acataram, aceitaram e em cima deste chassi vieram a criar o sistema de controle teleguiado, nada de robótica, isto foi um fiasco.

kkkkkkk
Esta história de robótica, isto foi plantada no nome do evento, para o público leigo, que deliraram, aplaudiram e todos embuidos na idéia de robô, que nada era, apenas um veiculo teleguiado. Eu, e o Prof. Dr. Mauricio do Rosário, da Unicamp já sabíamos disto, mas não poderíamos tirar da mente do público um nome, que na época era "robô" (que legal, bancana, etc.), por assim dizer, nós dois especialistas em robótica, tivemos que evitar de alardear e nos manter firmes, que esta questão seria passageira, não tinha como mudar o que o povo acreditava, seria uma catástrofe, e assim foi.

Aqui se faz, aqui se paga, da mesma moeda, o castigo para mim veio depois, em ser acunhado de um professor, que foi na midia fazer sucesso e, nada fez, é assim, sempre vem de mentes diabólicas, isto é o ser humano, nunca ele irá te aplaudir, mas sim tentar te menosprezar (esta é a raça humana, com raras exceções, meu júbilo veio em forma de uma carta da Unifei, por uma comissão julgadora da Unifei, me concederam uma carta de honra ao mérito, foi minha maior gratidão da Efei/Unifei), já os alunos debandaram e cairam na fama e, me esqueceram.

É, sempre assim, quem faz não é reconhecido, neste país do faz de conta e, os que nunca fizeram nada, nos anos seguintes tomaram meu lugar (professores da Unifei em guerra de foices, para pegaram o trófeu, para seus ganhos de produtividades, simplesmente hilariante, o que o "homo sapiens" (meia boca), se atiram, como môscas). Lógico, eu era um temporário, fui escamoteado do sistema deles, aonde os meus incautos trataram de me tirar do cenário, já que a fama da Unifei correu o mundo todo, por que manter um professor temporário!!!!

Nunca mais tive de alguns deles algum tipo de agradecimento, eu tornei a Efei em Unifei, com todo o meu coração e, é assim, o que ganhei? Com exceção do Prof. Dr. José Arnaldo Montevechi, quem é o único que eu: "tiro meu chápeu", por ter me reconhecido, no dia certo, na hora certa e no ano certo - Deus nos direciona, só ele sabe, nada vem por acaso, é a "Divina Providência".

Mudanças de e-mail? Saída da Efei, a qual atuei como professor substituto em robótica até fevereiro de 2003. Agora, passado algum tempo com ex-alunos, pelo fato de ter introduzido este tipo de robótica educacional e, iniciado na Efei este movimento de construção de robôs, estaremos receptivos para doações, pois alguns estudantes ainda mantém este professor como orientador à longa distância.

RETORNA